Empreendedorismo social: tudo que você precisa saber sobre o assunto

por Leticia Sales Março 14, 2019

Empreendedorismo social: tudo que você precisa saber sobre o assunto

O termo “empreendedorismo social” tem surgido cada vez mais no mercado nacional e internacional. Isso porque muitos empresários estão preferindo atuar em projetos capazes de gerar resultados positivos não somente para o seu orçamento pessoal, mas também para toda a sociedade.

Ao investir nesse modelo, é possível detectar uma série de tendências e algumas soluções modernas e inovadoras para driblar os problemas existentes em nosso dia a dia, seja em questões relacionadas ao meio ambiente, seja na mobilidade urbana, turismo social ou, até mesmo, no universo da moda.

Pensando nisso, e para que esse conceito fique ainda mais conhecido no Brasil, criamos este conteúdo exclusivo. Ao longo da leitura, você entenderá o real conceito de empreendedorismo social e descobrirá algumas dicas para colocá-lo em prática. Vamos lá?

Entenda definitivamente o que é empreendedorismo social

Muito se tem falado no empreendedorismo social, mas poucos são aqueles que, de fato, conhecem o significado desse termo. Para começar, esse negócio tem como objetivo melhorar a qualidade de vida da sociedade, diminuindo o número de indivíduos em situações de vulnerabilidade. Essa transformação é realizada por meio de projetos capazes de promover a inclusão e a emancipação da população, além de gerar capital social.

O conceito ganhou notoriedade ainda na década de 1970 com o economista e ganhador do Nobel da Paz, Muhammad Yunus. Na época, o empresário emprestou um total de 27 dólares para um time de mulheres que desejavam abrir uma empresa em Bangladesh.

Atitudes como essa são vistas como excelentes maneiras de solucionar alguns dos problemas de nossa sociedade e que, muitas vezes, precisam de ajuda de profissionais de diferentes segmentos para que consigam ser combatidos.

O empreendedorismo social e o lucro

Quando falamos em empreender, automaticamente pensamos no lucro, certo? No modelo tradicional de empreendedorismo, o lucro é o combustível para que um negócio tenha sucesso. Ou seja, sem ele, nenhum tipo de empresa consegue se consolidar no mercado.

Por conta disso, todos os produtos ou serviços desenvolvidos no empreendedorismo tradicional são projetados para mercados capazes de pagar por eles, gerando um excelente resultado financeiro.

No empreendedorismo social, por sua vez, esse mecanismo funciona diferente. Aqui, o lucro não é encarado como uma prioridade para os investidores ou empresários. Ao contrário: o empreendedor social prioriza os valores e os benefícios que determinados produtos ou serviços podem oferecer para a sociedade.

Para ilustrar a diferença entre o empreendedorismo tradicional e o social, basta destacar as empresas que realizam campanhas de doação de mantimentos, roupas ou ações “verdes” para preservar o meio ambiente. Em geral, essas atitudes são praticadas em períodos específicos, como acontece com a doação de agasalhos assim que chega o inverno. Enquanto isso, o empreendedorismo social realiza essas ações o tempo inteiro, independentemente de datas comemorativas.

Por esse motivo, muitas vezes o público-alvo desse tipo de negócio são as comunidades carentes e extremamente desfavorecidas financeira e politicamente. Mas não se engane: isso não quer dizer que os empresários que atuam nesse segmento não desejem lucrar. Eles podem gerar renda, mas esse não será o foco principal.

Muitos ainda costumam confundir o empreendedorismo social com o trabalho realizado pelas Organizações Não Governamentais (ONGs). Embora as práticas de ambos modelos sejam semelhantes, existe uma diferença entre eles. O empreendedorismo depende completamente do seu lucro gerado para atender às necessidades da população. Já as ONGs realizam essas ações por meio de doações, parcerias e outras fontes de renda.

A importância do empreendedorismo social para a população

A única maneira de entender a importância do empreendedorismo social é conhecendo a história e as características do nosso próprio país. Desde a época da colonização, o Brasil é marcado por inúmeras situações de desigualdade. Infelizmente, mesmo com o passar dos séculos, essa situação não foi contornada, apenas minimizada.

Atualmente, continuamos vivendo em uma sociedade injusta que não conta com políticas públicas capazes de erradicar os problemas sociais. Isso fez com que vários setores fossem prejudicados, como acontece com o meio ambiente, a saúde e a segurança pública, entre muitos outros.

Como resultado, um número incontável de brasileiros vivem marginalizados, sem a oportunidade de se beneficiarem dos seus direitos civis ou, até mesmo, conquistar os seus objetivos de vida.

É justamente aí que entra o empreendedorismo social. Ao notar essa desigualdade, muitos empreendedores decidiram fazer diferente e encontrar caminhos para reverter os problemas encontrados no país. Muito longe dos modelos de negócio tradicionais, esses são criados com um único propósito: ajudar ao próximo. Interessante, não é?

Saiba como funciona esse modelo de empreendedorismo

Para que o empreendedorismo social funcione de forma eficaz, ele precisa ser desenvolvido com base em três elementos fundamentais. Veja quais são eles!

1. Identificação

O primeiro passo é identificar um problema responsável por causar a exclusão e a marginalização de alguma parcela da sociedade.

2. Oportunidade

Depois, é o momento de encontrar uma oportunidade para equilibrar esse cenário. Para isso, é importante que o empreendedor crie um projeto de valor social que seja capaz de inspirar e motivar os indivíduos.

3. Estabilidade

Por fim, não basta somente criar a solução para determinado problema — é preciso formar um ambiente estável e capaz de contribuir para essa transformação.

Esse é o caso de empresas que contam com profissionais unidos em prol de uma determinada causa. Além disso, promovem ações em suas rotinas que também são capazes de colaborar para o sucesso desse processo. As empresas sociais podem atuar em diversas áreas, como educação, meio ambiente, desenvolvimento, tecnologia, saúde, alimentação ou moda. São inúmeras possibilidades!

Para que você entenda melhor, listamos algumas práticas desenvolvidas pelos profissionais da área. Confira!

Ações em comunidades locais

Os empreendedores sociais costumam firmar parcerias com o governo e com a comunidade para promover iniciativas exclusivas. Na maioria dos casos, essas práticas têm o objetivo de debater e solucionar problemas que envolvem agricultura, saúde e educação pública.

Soluções de grandes problemas

O trabalho social é voltado para solucionar problemas a longo prazo e não de forma instantânea. O objetivo é alcançar resultados satisfatórios que gerem mudanças sólidas e duradouras.

Valores como prioridade

Antes de pensar em qualquer lucro, os empreendedores sociais procuram conquistar mudanças capazes de oferecer benefícios reais para toda a sociedade.

Conheça exemplos de empreendedorismo social

O que não faltam são exemplos de empresas sociais no Brasil. Para que você fique por dentro desse universo, reunimos as que mais se destacaram nos últimos anos em território nacional.

GRAAC

O Grupo de Apoio ao Adolescente e à Criança com Câncer (GRAAC) é uma instituição criada em 1991 que tem como objetivo garantir o tratamento adequado para crianças e adolescentes com câncer.

A organização nasceu a partir de uma iniciativa do oncologista Antonio Sérgio Petrilli. Até hoje é um dos principais caminhos de combate à doença no país. Para a sua sustentação, o GRAAC conta com apoio de pesquisadores das grandes universidades do país, além de ajuda de empresas privadas e da própria sociedade.

Gerando Falcões

A Gerando Falcões é uma organização criada em 2011 por Eduardo Lyra, um jovem que nasceu na periferia de São Paulo. O projeto foi desenvolvido para ajudar crianças e adolescentes que vivem nas zonas periféricas da cidade.

A maioria das ações são focadas em esporte, cultura e capacitação profissional. O modelo de gestão do Gerando Falcões é baseado em estratégias de administração de grandes empresas, contando com metas, plano de carreira e gratificação para todos os colaboradores da rede.

Geo Energética

A Geo Energética é uma empresa brasileira que conseguiu criar uma fonte de energia sustentável para a população. No caso, o componente é o chamado biogás, que pode ser obtido a partir do reaproveitamento de uma série de resíduos originários da produção de álcool e açúcar. O objetivo desse negócio de impacto socioambiental é facilitar o acesso à energia limpa na sociedade, conservando as fontes naturais e preservando o meio ambiente.

Hand Talk

A Hand Talk é uma empresa que tem como objetivo levar mais informação para todas as pessoas — principalmente para aquelas que não ouvem. Criada em 2012, essa organização realiza traduções digitais e automáticas para a Língua de Sinais.

Tudo acontece por meio do Hugo, um intérprete e personagem virtual que pode ser encontrado em um aplicativo para smartphone, botões de acessibilidade em sites ou em materiais corporativos. Premiada pela Organização das Nações Unidas (ONU), essa é considerada a maior e mais eficaz plataforma para surdos do mundo.

Instituto Chapada

O Instituto Chapada é uma iniciativa com foco em aprimorar a qualidade do ensino público brasileiro. Liderado por Cybele Oliveira, pedagoga, o projeto é conhecido por apoiar a formação continuada de gestores e professores em escolas da rede pública.

Inclusive, a iniciativa promove a criação de redes colaborativas e exclusivas para fortalecer o ensino e as políticas públicas nesses espaços.

Geekie

Fundada em 2011, a Geekie é uma organização especializada em criar plataformas de ensino acessíveis para todos. Utilizando tecnologias supermodernas, a empresa consegue proporcionar ferramentas para que estudantes de diversas partes do Brasil consigam desenvolver seus potenciais.

O sucesso dessa ação foi tãp grande que, em 2013, os fundadores da Geekie foram premiados pelo Prêmio Folha de Empreendedores Sociais. Bacana, né?

O empreendedorismo social na moda

A indústria da moda é um dos segmentos mais lucrativos do mercado nacional e internacional. Em contrapartida, esse setor também é um dos que mais poluem e praticam condições trabalhistas ilegais, como acontece com a exploração da mão de obra.

Mas nem tudo está perdido: alguns empreendedores sociais já notaram esse problema e estão procurando agir de forma diferente no setor. São muitos exemplos de projetos bem-sucedidos na área. Um deles é o Santa Cria, iniciativa da estilista brasileira Jakeline Souza, que tinha como foco ensinar mulheres detentas a fazer bolsas com restos de tecidos de confecções em Juiz de Fora, Minas Gerais.

Após finalizados, os produtos eram vendidos na internet e o lucro revertido para as famílias das mulheres. Para realizar esse projeto incrível, a estilista contou com o apoio do governo, que forneceu um espaço equipado para as detentas trabalharem.

Há ainda empreendedores sociais que estão apostando todas as suas fichas em alternativas sustentáveis de consumo e produção, como é o caso do slow fashion. São marcas de moda sustentável que criam peças de roupas e acessórios utilizando o trabalho artesanal, evitando o desperdício e priorizando o uso de materiais e procedimentos com baixo impacto ambiental.

Para incentivar as pessoas a consumirem de forma consciente, o empreendedorismo na moda ainda conta com um processo de fabricação mais lento, priorizando a qualidade do produto e equilibrando a relação entre o ser humano, o vestuário e a natureza.

Um ótimo exemplo de empresa que segue esses critérios é a Happee. Criada no Brasil em 2015, a marca de acessórios atua para retirar inúmeros artesãos rurais indianos da situação de pobreza, oferecendo aos profissionais salários dignos e um ambiente profissional humano e seguro. Vale a pena conhecê-la!

4 motivos para investir no empreendedorismo social

Como você já pode imaginar, o empreendedorismo social promove uma série de benefícios para a sociedade. Com esse tipo de negócio, é possível gerar mais empregos, aumentar as oportunidades dos indivíduos em vulnerabilidade e permitir que a população carente seja incluída socialmente. Razões para investir nesse modelo de negócio não faltam. Conheça as principais!

1. Resolução de problemas

Todo e qualquer negócio social tem como objetivo resolver um determinado problema da sociedade. Essa solução pode ser, por exemplo, uma nova maneira de se aproveitar energia elétrica, a capacitação de desempregados, uso de matéria-prima reciclável e por aí vai.

Nas empresas tradicionais, durante o desenvolvimento de produtos ou serviços, o foco principal é a satisfação do cliente. No empreendedorismo social isso não acontece e os gestores do segmento procuram encontrar oportunidades em segmentos onde a maioria dos profissionais só enxergam obstáculos.

2. Geração de valor

O empreendedor social é capaz de gerar valor para a população. É por meio dessa visão que os parceiros e investidores se sentirão atraídos por esse modelo de negócio.

3. Amplo campo de atuação

O empreendedorismo social pode ser aplicado em qualquer segmento do mercado sem qualquer restrição. Pouco importa o ramo da empresa — o que vale é como o empresário vai descobrir maneiras de solucionar algum problema da sociedade.

Essa versatilidade, inclusive, pode surgir no público-alvo da organização. Quer um exemplo? Em vez de ajudar somente a comunidade local, alguns gestores optam por contribuir para a qualidade de vida de pessoas que moram em outras cidades ou até em países diferentes.

4. Apoio internacional

Várias instituições do mundo são conhecidas por apoiar e investir no empreendedorismo social. Esse benefício é excelente para aumentar a visibilidade da empresa e auxiliar no seu crescimento e expansão.

Aprenda como atuar nesse segmento

No Brasil, o empreendedorismo social ainda enfrenta alguns obstáculos relacionados às questões tributárias e legislativas.

De qualquer modo, esse cenário tende a mudar nos próximos anos, uma vez que já podemos contar com processos que prometem acabar com essas barreiras. O interessante é que, quanto mais pessoas se interessarem pela ideia, mais fácil vai ser empreender nesse segmento em território nacional.

Gostou da proposta e quer saber como começar a empreender socialmente? Acompanhe algumas dicas logo nos próximos tópicos!

Encontre o problema

Não tem como fugir: o primeiro passo para investir no empreendedorismo social é encontrar um problema na sociedade que precise de atenção. Essa identificação é essencial para que você trace as suas metas e, consequentemente, alcance sucesso no futuro.

Mergulhe nas questões sociais e defina seu público

Após identificar o problema, será preciso entender tudo sobre ele. Além de estudar por meio de livros e pesquisas acadêmicas, você deve sair da sua zona de conforto e conversar com indivíduos que enfrentam esse problema todos os dias.

Agende conversas com moradores da comunidade, passe um tempo morando em um determinado bairro e viva essa experiência na pele. Somente assim você conseguirá identificar, de fato, o que precisa ser mudado naquela região.

Depois de encontrar o problema a ser combatido, é o momento de conhecer o público que será beneficiado com o seu trabalho. A recomendação é que você não se limite em traçar um perfil superficial do público-alvo: é preciso ir além, estudar o segmento e entender a fundo as necessidades dos indivíduos.

Faça pesquisas detalhadas e procure descobrir tudo sobre esse universo. Essas práticas ajudarão você a identificar as reais necessidades das pessoas.

Desenvolva um projeto

Assim como acontece com qualquer outra empresa, as que atuam no ramo social precisam de um bom projeto. Isso significa que, além de encontrar o problema e a solução, além de conhecer a fundo o seu público-alvo, é fundamental criar um plano de marketing, estabelecer uma proposta de valor e, principalmente, definir o orçamento.

Existem outras questões que merecem ser integradas ao seu projeto, como um plano exclusivo de captação de recursos e os indicadores para medir o impacto das suas ações.

Faça um excelente trabalho em equipe

Uma maneira de alcançar o sucesso com o empreendedorismo social é convidando os próprios beneficiários a fazerem parte dos projetos mais importantes da sua empresa. Com esse cuidado você terá mais facilidade para acertar nas decisões, evitar prejuízos financeiros e fugir de situações que não condizem com os objetivos do seu negócio.

Encontre formas de captar recursos

Como você já deve imaginar, a captação de recursos é uma das etapas mais complicadas do empreendedorismo social. Afinal, não é tão simples levantar recursos para financiar os projetos de uma marca. Mas é claro que existem alguns caminhos para facilitar esse processo. São eles:

  • inscrição em editais públicos de incentivo;

  • crowdfunding;

  • parceria com grandes empresas;

  • parceria com o setor público;

  • desenvolvimento de produtos ou serviços acessíveis aos beneficiários.

Invista na comunicação

Toda empresa de sucesso valoriza — e muito — a boa comunicação. Ao desenvolver uma excelente estratégia de comunicação, você terá maior visibilidade no mercado, conseguindo atrair investidores, parceiros, colaboradores, voluntários e uma série de profissionais interessados em contribuir, de alguma forma, para o crescimento do seu negócio.

Quanto mais eficiente for a comunicação, mais conhecida a sua marca ficará. Para isso, é claro, ter uma presença sólida nas redes sociais é importantíssimo. Hoje em dia é quase impossível encontrar grandes empresas que não estejam investindo no posicionamento e presença digital.

E isso não quer dizer que você precise criar apenas um perfil bacana no Facebook ou Instagram, viu? É fundamental interagir com os usuários e produzir conteúdos relevantes, capazes de atrair o público e, ao mesmo tempo, transmitir a essência do seu projeto.

Monte times de sucesso

Para criar soluções inovadoras, invista em equipes multidisciplinares. Lembre-se: um time diversificado sempre estará capacitado para encontrar soluções, contornar crises e alcançar bons resultados em todos os projetos. Conte com profissionais que tenham não somente excelente formação acadêmica, mas uma boa experiência e vontade de crescer junto com a empresa.

Valorize os feedbacks

Uma maneira de continuar acertando seus passos é valorizar cada feedback recebido ao fim dos projetos. As sugestões e críticas construtivas devem ser sempre bem-vindas e ajudam a fazer com que as suas decisões fiquem mais assertivas com o passar do tempo.

Nunca se contente com os resultados e sempre procure o que pode ser aprimorado. É essencial que toda a equipe tenha um bom diálogo, saiba receber os feedbacks e encontrar as melhores maneiras de fazer com que as ações sejam mais efetivas.

Viu só? O empreendedorismo social pode ser uma excelente oportunidade para você fazer a diferença junto à sociedade e desenvolver soluções capazes de melhorar a vida de muitas pessoas. Encontre o seu nicho de atuação, desenvolva projetos incríveis e contribua para construir um mundo melhor!

Se você gostou do nosso conteúdo exclusivo e quer se aprofundar no assunto, não perca tempo! Assine a nossa newsletter agora mesmo e receba notícias sobre moda, turismo, empreendedorismo e sustentabilidade em primeira mão!




Leticia Sales
Leticia Sales

Autor



Deixe um comentário

Os comentários serão aprovados antes de serem exibidos.