O que está acontecendo com a Happee?

por Leticia Sales agosto 27, 2019

A gente lançou a Happee em 2015, com o intuito de fazer moda de uma maneira mais ética e ajudar a comunidade local. Tem tantos problemas sociais na Índia que é até difícil saber por onde começar. A gente doava 2 dolares de cada venda para uma ONG em Jaipur e fazia produtos com artesãos locais. Sempre tivemos a melhor das intenções em fazer o bem a outras pessoas, e isso virou uma verdadeira missão de vida. 

Acontece que quando você leva a sério esse compromisso, é difícil pra caramba. É muito difícil achar matérias-primas que sejam legais. Ou elas poluem o meio-ambiente, ou por mão de obra explorada, ou os dois. E também é difícil encontrar parceiros realmente comprometidos com transparência e ética. Tem muito fornecedor que diz usar pigmentos não poluentes, ou que trabalha com artesãos mas não trabalha, gente que vende poliéster (feito de plástico) como se fosse seda, e assim por diante.

A nossa parceria com a ONG não deu certo, e passamos a focar no processo produtivo. Fazer sapato é um lance difícil pra caramba. Cada tipo de sapato requer uma infinidade de componentes diferentes. Um sapato de salto tem uma estrutura de metal que sustenta o corpo, e a construção é totalmente diferente de uma rasteirinha ou par de havaianas, por exemplo. E isso torna uma missão ética e sustentável impossível para uma equipe pequena como a nossa, porque é inviável procurar a origem de cada micro componente de cada produto.

Então, no ano passado nós percebemos que a solução seria fazendo roupas. E assim, desde o começo do ano, temos trabalhado arduamente para criar um processo produtivo ético e sustentável do início ao fim, desde o algodão plantado até o que acontece após a venda.

Foi um processo muito árduo, que exigiu horas de pesquisa, finais de semana trabalhados (praticamente todos), dezenas de amostras criadas, 3 estagiários contratados, entre os quais 2 foram demitidos, uma delas por roubar peças nossas. Recriar, tentar, acreditar, cair e levantar. 

É difícil pra caramba ter empresa, só quem sente na pele sabe o nível de dedicação e comprometimento exigidos, e todos os momentos em que você se pergunta se está no caminho certo ou não. É abrir mão de um emprego e salário estável pra mergulhar no completo desconhecido, onde em um mês você bomba  de vender e no outro não, e precisa aprender o porquê.

Antes de lançar oficialmente no site, queria compartilhar com vocês toda essa transformação, um processo do qual estamos muito orgulhosos. A partir de agora, esse é o novo ciclo da Happee:

Nossos tecidos são sustentáveis, com certificados! Feitos com algodão orgânico, excedentes ou tecidos da Lenzing, que é uma empresa pioneira em tecidos sustentáveis. Substituíram solventes tóxicos e 99% dos químicos utilizados na produção são reutilizados, não poluem o meio-ambiente.

Nossas estampas e bordados são feitos artesanalmente na Índia, valorizando e proporcionando renda a artesãos locais, além de reduzirem a pegada de carbono, por não exigirem energia elétrica em sua produção.

Além disso, voltamos a todo o vapor com um projeto social mais lindo do que nunca. Chamado de Happee to Help, além de ajudarmos os artesãos a ganharem mais visibilidade e ampliarem seus negocios, fizemos uma parceria com uma ONG em Jaipur focada em empoderamento feminino.

O nome da ONG é Praveen Lata Sansthan, e eles trabalham com mulheres pobres, majoritariamente de comunidades muçulmanas aqui em Jaipur. Muitas delas são proibidas pelas famílias de trabalhar fora de casa, pois na Índia é visto como desonra para o marido a mulher trabalhar. Já falei antes aqui que apenas 30% das mulheres indianas trabalha e menos de 20% tem acesso a absorventes no período menstrual. É difícil ser mulher aqui. 

Nesse programa, estamos ajudando jovens aprendizes (garotas a partir de 16 anos) e mulheres sobre costura e capacitando-as a trabalhar com moda. Se elas não podem sair para trabalhar, e se a gente pudesse levar o trabalho até elas?

Já colocamos em andamento um curso para um grupo inicial de 6 garotas. Elas estão aprendendo técnicas de costura de qualidade, como fazer molde para roupas, combinações de cores, como pegar pedidos de diferentes clientes, e outras coisas mais. As duas melhores da turma ganharão um pequeno pedido nosso, para que elas sintam a satisfação que é você ganhar dinheiro mérito do proprio esforço.

E, para completar, a cada venda feita pelo site a partir de setembro, nós doaremos um absorvente menstrual bactericida, lavável e reutilizável feito pela própria ONG. Então, além de doar um absorvente e contribuir pra um problema grave na sociedade daqui, estaremos gerando trabalho e renda para as próprias mulheres da ONG. 

E, além de tudo, vou finalmente contribuir com uma causa que me tocou tão profundamente e que eu contei alguns dias atrás aqui. Eu tive muita sorte sendo mulher, e acho que outras também merecem as oportunidades que eu tive.

Hoje eu tive a notícia de que a nossa futura designer não vai trabalhar com a gente. Mas não importa, pois os nossos sonhos são muito maiores, e nada e nem ninguém vai impedir a gente de alcançá-los!


Que venha essa nova fase da Happee!




Leticia Sales
Leticia Sales

Autor



Deixe um comentário

Os comentários serão aprovados antes de serem exibidos.