Conheça os fundadores da Rays, nossa ONG parceira

Setembro 22, 2015

Conheça os fundadores da Rays, nossa ONG parceira

Já mencionamos várias vezes em nosso blog sobre as atividades que realizamos na Rays, nossa ONG parceira em Jaipur. Hoje estamos muito felizes em trazer-lhe uma entrevista concedida pelos proprietários da ONG, Rashmi Kuchhal e Capitão Gurinder Virk, que também possuem o restaurante Handi. Neste post, você poderá conhecê-los e aprender mais sobre a vida e as condições das crianças. Uma entrevista emocionante!

 

Fale-me sobre você.
Eu venho de uma família de lutadores da liberdade (como são denominados os indianos que lutaram pela independência da Índia, que aconteceu em 1947). Minha mãe foi uma das primeiras agentes de viagens a iniciar o turismo em Jaipur, apesar de não saber falar inglês. Ela teve aulas, aprendeu inglês e expandiu o negócio de tal forma que espalhou-se por todo o Rajastão. Ela foi uma grande fonte de inspiração para mim. Depois de me casar em uma idade jovem, meu marido e eu abrimos o restaurante Handi devido à minha paixão pela cozinha.
Assim, a maior parte de seu trabalho aconteceu depois do casamento?
Sim. Nós começamos em uma escala muito pequena, com apenas duas mesas e muito poucos pratos no menu. Eu cozinhava e também servia.
Mesmo? Não houve qualquer equipe?
Não. Houve apenas um rapaz que nos ajudou com trabalhos domésticos. Lenta e gradualmente o trabalho se expandiu e passamos a ter uma equipe. Depois de algum tempo, abrimos o restaurante Copper Chimney.
Tudo isso foi há um bom tempo, certo?
Sim. Handi aconteceu por volta de 1983.
Naquela época, como foram as reações das pessoas em relação às mulheres a trabalhar?
Nem um pouco favorável! Eles não aceitavam qualquer conselho ou sugestão vindo de mim, mesmo sendo a pessoa por trás de todas as receitas na Handi. Eu me estressei muitas vezes com essas pessoas, mas com o passar do tempo, eles começaram a me respeitar.
Como sua ONG Rays entrou em cena?
A Rays aconteceu muito tarde quando o negócio estava estabilizado, quando meus filhos já haviam crescido e começado a lidar com os negócios da família. Eu tinha essa sensação de que tudo isso estava sendo bem cuidado, e agora eu tinha que fazer alguma outra coisa. Estava na minha persona.
 
Capitão Gurinder Virk, Co-Fundador e Presidente, Rays
Foi quando o meu amigo, o Capitão Gurinder Virk, entrou em cena. Nós dois pensamos em abrir um orfanato, e enquanto visitávamos um pré-estabelecido, encontramos uma criança que tinha sido rejeitada. Ao perguntarmos, viemos a saber que a criança tinha HIV, era soropositiva. Foi então que decidimos abrir um lar para crianças com HIV.
Quais foram as dificuldades que apareceram no caminho no processo de estabelecimento da Rays?
Havia muitos deles. O HIV é um grande estigma entre as pessoas. Elas são tão assustadas, tão assustadas, que você não pode imaginar! As pessoas não querem interagir com alguém soropositivo ... não querem alugar suas casas para essas pessoas. Pergunto-lhes "do que você tem medo? De que suas paredes vão pegar HIV?"
Mas, além de tudo, você sabe qual é o maior desafio? Essas crianças soropositivas. Eles vêm com uma abordagem tão negativa da vida... não é uma tarefa fácil moldar suas mentes na direção certa.
Eles devem sempre ter a necessidade de uma série de cuidados, tanto em termos de medicação quanto carinho, né?
Sim. Quando começamos, havia apenas quatro crianças e uma pequena sala. Aos poucos, as crianças continuaram vindo. Hoje temos 57 crianças que vivem em duas casas com dez cuidadoras, que também são HIV +. É por isso que todos nós preferimos chamar a ONG de um "lar positivo".
E como exatamente uma criança é admitida na Rays?
Capitão Virk: Uma criança que quer se juntar à Rays tem que conseguir a permissão do CWC (Comitê de Bem-estar da Criança). Um monte de hospitais nos conhecem, e quando os pais com crianças soropositivas abordam estes hospitais, eles as encaminham para nós. Em seguida, orientamos as famílias para obter a permissão do CWC. Quando uma criança chega até nós, temos o seu checkup médico completo feito. E depois de 3 meses, quando a criança está confortável em seu novo ambiente, a matriculamos na escola.
Rashmi: ... Você sabe Priya, as pessoas vêm e me perguntam por que eu mando essas crianças para escolas privadas, aumentando assim as despesas? Digo-lhes que eu estou pronta para gastar mais, pronta para contribuir com meu próprio dinheiro, mas não estou pronta para abrir mão da qualidade da educação das crianças.
Enquanto nós estamos falando sobre o aspecto financeiro, diga-me como você consegue fundos para manter a casa?
Fundos são sempre um problema porque há sempre 'N' despesas. E as pessoas estão relutantes em doar para as crianças soropositivas porque as consideram um desperdício de dinheiro. Vou lhe contar um incidente. Há este homem que está faz um monte de trabalhos de caridade. Um dia ele veio até mim e disse: "Nunca se sabe sobre as crianças com HIV, elas podem ou não estar vivas amanhã." Eu disse a ele, "você tem certeza sobre si mesmo, se você vai estar vivo amanhã ou não? Ao doar para essas crianças você está, pelo menos, contribuindo para dar a elas uma boa qualidade de vida durante qualquer tempo que estiverem vivas."
Dese então, esse homem tem sido um visitante regular na Rays. Além dele, temos algumas outras doações, e nós contribuímos nosso dinheiro também.
Então, qual é o próximo grande passo?
Capitão Virk: Estamos planejando abrir uma terceira casa. Nós temos a permissão do governo para ter essas crianças conosco apenas até completarem 18 anos, mas estamos preocupados o que vai acontecer com elas depois disso, para onde elas vão, o que vão fazer ...
Rashmi: Pensar que essas crianças vão nos deixar mexe muito comigo. Somos muito apegados a elas, e elas são muito ligadas a nós. Rays é como um suporte de vida para mim. Se eu não vou lá, eu sinto como se eu não tivesse recebido o meu oxigênio para o dia.
Capitão Virk: Nós também estamos pensando em maneiras de criar oportunidades de emprego para eles. Estamos tentando nos juntar com algumas empresas que possam receber essas crianças para treinamento como jovens aprendizes, uma vez que as crianças completarem o Ensino Médio.
Rashmi: Talvez nós também iremos absorvê-las de uma forma ou outra em nosso próprio negócio. Estamos na indústria hoteleira também. Essas crianças podem atestar para fazer trabalhos que sejam seguros, onde não há contato de sangue, tais como motoristas, mensageiros, serviço de quarto, etc.
Conte-me mais sobre as crianças! Como elas a tratam?
Elas me chamam de Madrinha! Muitas vezes elas me ligam no telefone e cantam músicas! Então, quando é o aniversário de alguém, ele / ela me pede para fazer seu prato favorito. Quando minha mãe visita, torna-se como um evento para elas. Elas ouvem as histórias dela de luta pela independência. Celebramos festivais juntos, vivemos como uma família. No Diwali (maior festival da Índia), algumas crianças vêm ficar comigo na minha casa.
Capitão Virk: Sabe, no Diwali todas as crianças vão para as suas próprias famílias. Mas algumas delas não têm nenhum lugar para ir, são órfãs. Então, eles vão e ficam com ela.
Rashmi: Nós também as levamos para excursões sempre que nossas condições financeiras nos permitem. Nós já as levamos para Amritsar, Rishikesh, Dharamsala, e Delhi. Sabe, essas crianças ficaram tão animado de se sentarem em um trem pela primeira vez! Ao perceber o que é um hambúrguer, ao ver as colinas, ao ver um lago pela primeira vez! Estas pequenas coisas são alegrias tão grandes para essas crianças!
Quando estávamos indo para Dharamsala, eu pedi as crianças e as cuidadoras para embalar roupas quentes, e todos eles estavam tirando sarro de mim. Mesmo quando estávamos no trem, brincaram a respeito de porque eu tinha feito as malas pesadas com roupas quentes. Mas, assim que chegamos nas montanhas, um dos meus meninos animadamente disse: "Madrinha, aqui está muito frio! É como se alguém tivesse ligado o ar condidionado! "
Sua felicidade era inocente e incomparável. E eles nunca tinham visto tudo isso antes porque a sociedade é muito dura para eles.
E os pais dessas crianças. Eles são cooperativos?
Alguns deles nem sequer se preocupam para vir e perguntar sobre o progresso da criança. Muitas crianças vêm de áreas rurais, e também vimos alguns casos onde os pais mantêm seus filhos soropositivos em casa apenas por uma questão de dinheiro fixo que o governo oferece para a medicação de tais crianças. A condição em que elas são mantidas em é alarmante.
É por isso que eu não permito mais de 15 dias como férias de verão. Porque elas não recebem alimentação adequada, ou higiene. ou medicamentos, e, em seguida, elas voltam em má forma ... temos que reiniciar todo ciclo de saúde em tais casos.
Qual é o melhor elogio que recebeu das crianças?
Não é um elogio, mas uma memória doce. Algum tempo atrás nós tínhamos contratado um tutor para as crianças. Esse cara era brilhante, mas algo deu errado com ele. Ele começou a ser um pouco agressivo com as crianças. Então eu disse a ele que não queria ele lá. Provavelmente, no último dia, este tutor falou coisas ruins sobre mim. Todas as crianças estavam quietas, mas esta criança de seis anos de idade ... ele ficou tão agitado ... que ele levantou-se e gritou com o tutor: Meri maa ke liye kuch bola toh Mujhse bura koi nahi hoga (Se você disser qualquer coisa contra a minha mãe, não haverá nada pior do que eu).
No dia seguinte fui vê-las, essa criança veio correndo para mim, me abraçou e chorou. Ele disse que, no ano passado, quando sua própria mãe morreu, ele não se sentiu tão mal quanto se sentiu no dia anterior, quando o tutor falou mal de mim.
Ele chorou. E eu chorei. Aquele foi um momento especial para mim.
Não fica difícil gerir seu negócio, a Rays, e sua própria casa ao mesmo tempo?
Fica. Mas no fim do dia, acho que é tudo sobre prioridades. Para mim, a Rays vem acima de tudo, em segundo lugar, o meu negócio, e em terceiro lugar, a minha casa. Sabe, muitas vezes meus netos se queixam de que eu amo as crianças da Rays mais do que eu os amo. Para ser sincera, é verdade. Porque os meus netos têm seus próprios pais e eu, mas essas crianças, eles não têm ninguém.
Capitão Virk tem sido um grande apoio por tudo isso. Temos departamentos divididos entre nós.
Que mensagem gostaria de transmitir a todos lá fora?
Antes de eu dizer alguma coisa, eu quero questionar. Por que as crianças soropositivas são deixadas de fora? Você já viu pessoas falando sobre elas? Você já viu alguma coisa sobre elas nas mídias sociais? Enquanto muito tem sido feito para o empoderamento das mulheres, meninas, crianças especiais, pessoas idosas, por que não para eles?
São crianças adoráveis com apenas uma tag de HIV sobre eles. Por favor, não rotule-as. Por favor, não as trate como intocáveis. Trate-as como seres humanos. Dê-lhes amor, aceite-as. Dê-lhes a confiança de que elas são importantes e que elas são capazes. Deixe-os sonhar ... sonhar grande.
Quando eu vou até elas, elas têm tantas coisas para falar, tantas histórias para me dizer, tantos segredos para compartilhar. Eu me sinto tão bem e feliz que eles confiam em mim. Se você entrar e interagir com eles, você vai sentir o mesmo carinho e felicidade.
 
Foto Cortesia: Pallav Bhargava
Você pode ler a entrevista original no Jaipur Women Blog.


Deixe um comentário

Os comentários serão aprovados antes de serem exibidos.

Guia de tamanhos

Caso você tenha alguma dúvida sobre o tamanho que deve comprar, pedimos que siga os passos abaixo para medir o seu pé, e então cheque nas tabelas abaixo o tamanho de calçado que corresponde ao comprimento do seu pé em centímetros. 

1. Em pé, coloque uma folha de papel debaixo do seu pé. Desenhe o contorno do seu pé com um lápis, conforme figura. 

2. Com uma régua ou fita métrica, meça o tamanho do seu pé, do calcanhar à ponta dedo mais comprido.

 

   SAPATILHAS
PAÍS TAMANHO

UK/INDIA

6

6.5

7

7.5

8

8.5

 

EUROPA

38

38/39

39

39/40

40

41

 

BRASIL*

36

36.5

37

37.5

38

39

 

EUA

7

7.5

8

8.5

9

9.5

 

CENTÍMETROS (PÉ) 23.8 24.1 24.6 25.1 25.4 25.9

 

   MOJARIS
PAÍS TAMANHO

UK/INDIA

2

3

4

5

6

6.5

 

EUROPA

35

36

37

38

39

40

 

BRASIL*

33

34

35

36

37

38

 

EUA

4

5

6

7

8

9

 

CENTÍMETROS (PÉ) 21,3 22,2 23 23,8 24,6 25,4

 

*Se você está vendo o site em português, a numeração já está convertida para a numeração brasileira.

*Nossas sapatilhas servem confortavelmente. As mojaris, no entanto, são um tipo de calçado naturalmente mais justo, pois de ajustam ao pé conforme o uso. 

*Esta tabela pode variar um pouco da tabela de outras marcas, uma vez que não há padrão internacional para tamanhos de sapatos. 

*Caso você ainda tenha dúvidas em relação ao seu tamanho, envie um e-mail para info@iamhappee.com, e responderemos o mais rápido possível. :) 

 

Se cadastre para nossa newsletter e fique por dentro de todas as novidades e nossas ofertas exclusivas!